ARTIGOS

22 de maio de 2023

Aço e suas principais características

Editoria Serrametal – Esse conteúdo é apenas informativo, pois se trata do universo dos nossos clientes. Nós somos fornecedores de aços especiais.

Aço

 

Um dos principais materiais do nosso cotidiano, o aço, apresenta diversas características únicas, que promovem uma versatilidade incrível de uso. Neste texto vamos abordar algumas características importantes do aço e seus diversos componentes químicos.

O aparecimento do aço remonta há 4.000 anos, até o início da Idade do Ferro. Provando ser mais duro e forte que o bronze, que antes era o metal mais usado, o ferro começou a substituir o bronze em armas e ferramentas.

Nos milhares de anos seguintes, entretanto, a qualidade do ferro produzido dependeria tanto do minério disponível quanto dos métodos de produção.

No século XVII, as propriedades do ferro eram bem compreendidas, mas a crescente urbanização na Europa exigia um metal estrutural mais versátil. E no século 19, a quantidade de ferro consumida pela expansão das ferrovias forneceu aos metalúrgicos o incentivo financeiro para encontrar uma solução para a fragilidade do ferro e processos de produção ineficientes.

Sem dúvida, porém, o maior avanço na história do aço ocorreu em 1856, quando Henry Bessemer desenvolveu uma maneira eficaz de usar oxigênio para reduzir o teor de carbono no ferro: nasceu a moderna indústria siderúrgica.

O que é aço?

O ferro é feito removendo oxigênio e outras impurezas do minério de ferro. Quando o ferro é combinado com carbono, aço reciclado e pequenas quantidades de outros elementos, torna-se aço.

O aço é uma liga de ferro e carbono contendo menos de 2% de carbono e 1% de manganês e pequenas quantidades de silício, fósforo, enxofre e oxigênio.

Segundo o dicionário, liga é uma substância metálica composta de dois ou mais elementos, seja como um composto ou uma solução. Os componentes das ligas são normalmente metais, embora o carbono, um não-metal, seja um constituinte essencial do aço.

As ligas são geralmente produzidas por fusão da mistura de componentes químicos. O valor das ligas foi descoberto em tempos muito antigos; latão (cobre e zinco) e bronze (cobre e estanho) foram especialmente importantes.

Hoje, os mais importantes são os aços-liga, amplamente definidos como aços contendo quantidades significativas de outros elementos além de ferro e carbono. Os principais elementos de liga do aço são cromo, níquel, manganês, molibdênio, silício, tungstênio, vanádio e boro.

As ligas de aço têm uma ampla gama de propriedades especiais, como dureza, tenacidade, resistência à corrosão, magnetização e ductilidade. Ligas não ferrosas, principalmente ligas de cobre-níquel, bronze e alumínio, são muito usadas na cunhagem. A distinção entre um metal de liga e uma impureza às vezes é sutil.

No alumínio, por exemplo, o silício pode ser considerado uma impureza ou um componente valioso, dependendo da aplicação, porque o silício aumenta a resistência, embora reduza a resistência à corrosão.

O aço é o material de engenharia e construção mais importante do mundo. É usado em todos os aspectos de nossas vidas; em automóveis e produtos de construção, refrigeradores e máquinas de lavar, navios cargueiros e bisturis cirúrgicos.

O aço é notavelmente complicado devido às suas muitas propriedades e aplicações. Dois sistemas de classificação abrangentes foram desenvolvidos para categorizar com precisão um determinado tipo, mesmo dentro de subgrupos. Esses sistemas são padronizados em todos os setores para que a integridade do material possa ser assegurada. Os dois sistemas de classificação são:

  • ASTM (American Society for Testing and Materials): classificação alfanumérica que denota a categorização geral e os atributos específicos do aço.
  • SAE (Society of Automotive Engineers): Classificação numérica de quatro dígitos que destaca o tipo de aço e o teor de carbono junto com a presença de outros elementos de liga.

Você pode encontrar aço em todos os lugares, materializado em diferentes formas para atender a várias necessidades. É um componente essencial de muitos materiais de construção, eletrodomésticos e até ferramentas usadas para fazer outras ferramentas. Ao combinar os elementos certos, uma combinação exata de aço está disponível para quase todas as aplicações.

Ferro e carbono são metais comprovadamente versáteis que são os blocos de construção de muito do que vemos nas cidades modernas de hoje, incluindo redes de transporte e infraestrutura de telecomunicações. O uso do aço tem uma longa história e continuará no futuro, à medida que novas formas de combinar elementos forem descobertas.

Vamos ver algumas características do aço.

Densidade do aço

A densidade é determinada de acordo com a norma EN 23 369 (ISO 3369). É uma propriedade física de um material que se refere à sua massa por unidade de volume. A densidade de um material é muitas vezes expressa em quilogramas por metro cúbico (kg/m³) ou gramas por centímetro cúbico (g/cm³).

Em comparação com muitos outros metais, o aço é um material extremamente denso. O titânio, por exemplo, tem uma densidade de cerca de metade da densidade do aço, e o alumínio tem cerca de um terço da densidade.

A densidade do aço comum é de cerca de 490 libras por pé cúbico, que também pode ser expressa como 7,85 g/cm3. A densidade do aço carbono é de cerca de 7,84 g/cm3, a densidade do ferro puro é de cerca de 7,86 g/cm3 e a do aço inoxidável é de cerca de 8,03 g/cm3. O grau particular e a composição química do aço fazem com que sua densidade varie ligeiramente.

Podemos comparar a densidade do aço com outros materiais muito utilizados na indústria. Por exemplo, o aço rápido tem aplicações onde um outro material é utilizado, como o metal duro.

O carboneto de tungstênio é um tipo de metal duro, e tem uma densidade de 15,7 g/cm3 e geralmente não é o melhor condutor elétrico; no entanto, ele conduz o calor muito mais rápido que o aço para ferramentas. Por outro lado, sua densidade é muito maior que a do aço, tornando uma mesma ferramenta de metal duro, mais pesada que a de aço.

Essa comparação é entendida como o volume de duas peças sendo igual, porem como a densidade do metal duro é maior, seu peso também será maior, quase o dobro. Existem, também, outros materiais que podem ser considerados metal duro.

A grande variação nas densidades dos constituintes do metal duro (isto é, WC=15,7 g/cm3, Co=8,9 g/cm3, TaC=13,2 g/cm3 e TiC=4,9 g/cm3) resulta em grandes variações na densidade de carbonetos de acordo com sua composição.

Normalmente, a densidade dos carbonetos pode ser 50 a 100% maior que a do aço. Esta é uma consideração importante quando o peso é um fator importante no projeto do componente. Essa diferença pode ser avaliada devido às certas situações no material:

  • Rede cristalina e grau de empacotamento dos átomos;
  • Distância entre os átomos, ou seja, tamanho das ligações Inter atômicas;
  • Tamanho dos átomos, ou massa atômica.

A aleatoriedade do empacotamento, ou seja, a regularidade da rede cristalina, influencia diretamente na densidade. Quanto mais aleatório, menor será a densidade, onde um material amorfo apresenta menor densidade que um material cristalino. A ligação metálica promove um maior empacotamento, e por consequência, materiais metálicos apresentam maior densidade.

Ligação metálica é a força que mantém os átomos juntos em uma substância metálica, formando, por exemplo, no estado sólido, átomos compactados. Na maioria dos casos, a camada eletrônica mais externa de cada um dos átomos metálicos se sobrepõe a um grande número de átomos vizinhos. Como consequência, os elétrons de valência movem-se continuamente de um átomo para outro e não estão associados a nenhum par específico de átomos.

Resumindo, os elétrons de valência nos metais, ao contrário daqueles em substâncias com ligações covalentes, são não localizados, capazes de vagar relativamente livremente por todo o cristal. Isso promove a característica condutora elétrica dos metais. Os átomos que os elétrons deixam para trás tornam-se íons positivos, e a interação entre esses íons e os elétrons de valência dá origem à força coesiva ou de ligação que mantém o cristal metálico unido.

Muitas das propriedades características dos metais são atribuíveis ao caráter não localizado ou de elétrons livres dos elétrons de valência. Quando um metal é moldado ou estirado, ele não se fratura, porque os íons em sua estrutura cristalina são facilmente deslocados uns em relação aos outros. Além disso, os elétrons de valência não localizados atuam como um amortecedor entre os íons de carga semelhante e, assim, impedem que eles se unam e gerem fortes forças repulsivas que podem causar a fratura do cristal.

Tipos de aço

 

A humanidade aprendeu a trabalhar com ferro pela primeira vez há cerca de 6.000 anos, mas só alguns milhares de anos depois, quando o elemento muito comum, o carbono, foi aplicado em sua função mais importante: a produção de aço. O aço é usado em aplicações mecânicas e elétricas, equipamentos de construção pesada, utensílios de cozinha e ferramentas. Com tanta variedade, pode ser confuso decidir o tipo de usar.

O aço é uma liga de ferro, o que significa que é composto principalmente de ferro e combinado com um ou mais metais de liga para produzir novos materiais com propriedades únicas. Existem quatro classificações principais, mas também existem vários subgrupos que atendem a propósitos diferentes. Suas propriedades mudam dependendo dos elementos com os quais o ferro é combinado, bem como dos métodos usados ​​para aquecer e resfriar o metal.

Abaixo, explicamos os diferentes tipos de aço e a finalidade de cada tipo. Esperamos que essas informações possam ajudá-lo a tomar decisões sobre qual tipo usar com clareza e confiança.

O aço é classificado por sua composição: o ferro é fundido com carbono e qualquer número de outros elementos para atingir um fim específico. Os quatro tipos principais são:

  • Aço carbono;
  • Aço inoxidável;
  • Liga de aço (ou aço liga);
  • Aço ferramenta.

Aço carbono

Todo aço contém carbono, mas o aço carbono é único pela notável ausência de outros elementos em sua composição. Embora contenha apenas 2% de carbono ou menos em peso, sua natureza elementar torna o aço carbono um material forte e durável, ideal para vários usos.

O aço carbono às vezes é confundido com ferro fundido, embora deva conter menos de 2% de carbono. O ferro fundido contém 2% a 3,5% de carbono, dando-lhe uma textura áspera e uma natureza mais quebradiça.

Embora o aço carbono seja composto por metais ligados, não possui classificação de liga devido à ausência de outros elementos de liga em sua composição. Essa simplicidade contribui para a popularidade do aço carbono – ele representa cerca de 90% de toda a produção de aço.

Tipos de Aço Carbono

Abaixo do limite de 2% de carbono, o aço carbono pode ser agrupado em três categorias: baixo, médio e alto carbono. Cada tipo retém a força inerente do carbono, mas sua finalidade útil mudará à medida que o teor de carbono aumentar.

  • Baixo carbono: Este é o tipo mais comum e menos caro. É fácil de formar devido à sua alta ductilidade – sua capacidade inata de ser esticada sob tensão. Fios, parafusos e tubos usam esse tipo de aço.
  • Carbono médio: Um teor de carbono entre 0,31% e 0,60% confere a essa variedade maior resistência e menor ductilidade do que as variedades com baixo teor de carbono. Carbonos médios são encontrados em engrenagens e trilhos de trem.
  • Alto teor de carbono: a variedade mais dura tem mais de 0,61% de carbono e é frequentemente usada para produzir pregos de tijolo e ferramentas de corte afiadas, como lâminas de valetadeira. Eles não contêm mais de 2% de carbono.

A adaptabilidade relativa e o baixo custo do aço carbono o tornam a escolha ideal para uma variedade de projetos de construção, tanto em grande quanto em pequena escala.

Aço inoxidável

Esse tipo é comumente conhecido por seu papel na fabricação de equipamentos e eletrodomésticos médicos, mas sua gama de uso é muito maior do que apenas o fogão a gás em sua cozinha. O cromo é a liga que diferencia o aço inoxidável, conferindo ao material seu brilho distinto.

No entanto, o cromo é mais do que uma adição puramente cosmética: o elemento é resistente à oxidação e aumentará a longevidade do metal, impedindo-o de enferrujar. Normalmente, o aço inoxidável tem um teor de cromo superior a 10,5% e às vezes contém até 30% em certas aplicações.

Maior teor de cromo se traduz diretamente em maior brilho quando polido e tem maior resistência à corrosão. O aço inoxidável é diferente do cromo quando o cromo é galvanizado em outro metal para produzir um revestimento resistente e polido. O brilho em aplicações de aço inoxidável com alto teor de cromo é menos espelhado devido à adição de outros elementos.

Tipos de aço inoxidável

Aplicações de cozinha, médicas e automotivas são comuns, mas o aço inoxidável também é altamente valorizado para outros usos. É agrupado em quatro subcategorias, cada uma com uma finalidade diferente.

  • Ligas martensíticas: A tenacidade é uma marca registrada das ligas martensíticas, mas elas são propensas à corrosão. São formados por um processo de resfriamento rápido que os torna ideais para tratamento térmico e são encontrados em instrumentos médicos, talheres e alicates.
  • Ligas ferríticas: São aços mais baratos com baixas quantidades de carbono e níquel. Aplicações automotivas são destinos finais comuns para ligas ferríticas por causa de sua resistência e brilho induzidos por cromo.
  • Ligas austeníticas: As ligas austeníticas possuem maiores teores de cromo e níquel, melhorando sua resistência à corrosão e tornando-as não magnéticas. Eles estão presentes em utensílios de cozinha comerciais e são populares porque são duráveis ​​e fáceis de limpar.
  • Ligas Duplex: Uma combinação de ligas austeníticas e ferríticas resulta em uma liga duplex que herda as propriedades de ambas enquanto duplica a resistência. Eles também são dúcteis e resistentes à corrosão devido ao seu alto teor de cromo.

As variantes de aço inoxidável, quando usadas na indústria da construção, são valorizadas por sua resistência e resistência à corrosão. Eles são adequados para uma variedade de aplicações de construção, bem como para funções de armazenamento de materiais de construção perigosos.

Aço Liga

O tipo de liga é o ferro fundido com um dos vários outros elementos, cada um contribuindo com seus próprios atributos exclusivos para o produto final. É verdade que todos os aços são ligas, mas o carbono e o cromo são ligas específicas com nomes atribuídos ao tipo de metal que formam.

As ligas de aço como um grupo incluem uma gama diversificada de ligas com uma gama igualmente diversificada de propriedades. Os contêineres de transporte usam uma liga complexa que combina vários elementos para produzir um produto durável e duradouro. O silício nem sempre é considerado um componente do aço, mas suas propriedades magnéticas o tornam um componente perfeito para a maioria das grandes máquinas. O alumínio é versátil e usado em materiais de construção revolucionários que são leves e extremamente duráveis.

Alguns dos elementos que se combinam com ferro e carbono para produzir ligas também são encontrados em aços para ferramentas – cobalto, tungstênio e molibdênio, por exemplo, são metais ultraduros desejados por sua resistência ao impacto e capacidade de corte.

Tipos de aço ligado

O potencial variado da liga de aço permite uma personalização intensa para aplicações específicas. No entanto, como os elementos secundários envolvidos nem sempre são fáceis de obter, como carbono ou cromo, certas ligas têm um preço exorbitante.

Algumas das ligas mais comuns incluem:

  • Alumínio: Aço leve e resistente ao calor, dúctil e fácil de trabalhar, frequentemente usado em sistemas de exaustão quente e geradores de energia.
  • Cobre: ​​Aço resistente à corrosão que conduz o calor de forma muito eficiente, tornando-o uma ótima opção para fiação elétrica e trocadores de calor industriais.
  • Manganês: Aço resistente ao impacto e extremamente resistente. Pode ser encontrado em armários à prova de balas, placas antifuros e cofres de alta resistência.
  • Molibdênio: Aço soldável e resistente à corrosão que funciona sob alta pressão, tornando-o adequado para construção subaquática ou oleodutos e gasodutos.
  • Silício: Aço de natureza macia, maleável e altamente magnético, que cria fortes ímãs permanentes que são usados ​​em transformadores elétricos.
  • Vanádio: Aço de alto impacto que absorve choques e é resistente a vibrações, frequentemente encontrado em peças automotivas como molas e amortecedores.

Sua versatilidade absoluta torna as ligas uma ocorrência comum em muitos projetos de construção. Variedades de ligas de cobre e alumínio são particularmente populares por seu baixo peso e propriedades de trabalho térmico.

Aço ferramenta

Os aços ferramenta são usados ​​para máquinas e para fabricação de ferramentas. A têmpera, o processo de alta temperatura, resfriamento rápido e aquecimento novamente (ou revenimento), cria um aço para ferramentas extremamente duro e resistente ao calor. Geralmente são usados ​​em ambientes de alto impacto e muito abrasivos.

Tipos de aço para ferramentas

Diferentes tipos de ferramentas requerem diferentes tipos de aço para ferramentas na produção. O aço ferramenta é usado de várias maneiras para melhor atender aos requisitos de produção de uma ferramenta específica. Os elementos adicionados determinarão para quais aplicativos específicos ele é adequado.

  • Temperados ao ar: O alto teor de cromo neste aço permite que ele seja exposto a altas temperaturas sem deformar.
  • Temperados em água: Este aço é temperado em água durante o uso. É o tipo de ferramenta mais acessível e é usado para fazer ferramentas comuns.
  • Temperados a óleo: Este aço temperado a óleo é excepcionalmente resistente ao desgaste por deslizamento e é usado para produzir facas e tesouras.
  • Aço rápido (HSS): o aço rápido é altamente abrasivo e resistente a impactos. É encontrado em brocas e serras elétricas.
  • Trabalho a quente: o nome revela, mas esse aço pode suportar calor extremo e é usado em forjamento e fundição.
  • Resistente ao choque: Pequenas quantidades de carbono, silício e molibdênio endurecem este aço e o adequam para punções e ferramentas de rebitagem.

Esses tipos podem ser ainda mais separados pela indústria em que são usados, bem como por sua dureza e tenacidade.

Aço na tabela periódica

Como dito anteriormente, o aço não é um elemento químico, mas sim uma liga metálica, uma união do elemento Fe e C na maioria das vezes, mas muitas vezes também Fe com Cr e Ni, formando aço inoxidável. Mas todos os elementos químicos que estão presentes no aço podem ser encontrados na tabela periódica. Abaixo os principais elementos químicos que podem gerar a grande gama de tipos de aço:

  • Ferro – Fundido a partir do minério de ferro, o ferro é o principal ingrediente do aço. Um metal brilhante e acinzentado que enferruja no ar úmido.
    • Raio atômico, não ligado 2.04 Å e quando ligado (covalente) 1.24 Å;
    • Afinidade eletrônica 14.569 kJ mol−1;
    • Eletronegatividade na escala Paule: 1.83;
    • Alguns ISOTOPOS:

Isótopo

Massa Atômica

Abundância natural %

54Fe

53.940

5.845

56Fe

55.935

91.754

57Fe

56.935

2.119

58Fe

57.933

0.282

  • Carbono – O carbono é o principal agente de endurecimento do aço. Existem várias formas puras desse elemento, incluindo grafite, diamante, fulerenos e grafeno. O diamante é um sólido cristalino incolor, transparente e o material mais duro conhecido. O grafite é preto e brilhante, mas macio. As nanoformas, fulerenos e grafeno, aparecem como pós-negros ou castanhos escuros, semelhantes a fuligem.
    • Raio atômico, não ligado 1.70 Å e quando ligado (covalente) 0.75 Å;
    • Afinidade eletrônica 121.776 kJ mol−1;
    • Eletronegatividade na escala Paule: 2.55;
    • Alguns ISOTOPOS:

Isótopo

Massa Atômica

Abundancia natural %

12C

12.000

98.93

13C

13.003

1.07

14C

14.003

 

  • Manganês – Também aumenta a dureza do aço. Também ajuda a estabilizar a estrutura da austenita em temperaturas mais baixas. É um metal duro, frágil e prateado.
    • Raio atômico, não ligado 2.05 Å e quando ligado (covalente) 1.29 Å;
    • Afinidade eletrônica – não estável;
    • Eletronegatividade na escala Paule: 1.55;
    • Alguns ISOTOPOS:

Isótopo

Massa Atômica

Abundancia natural %

55Mn

54.938

100

 

  • Cromo – Ele ajuda no endurecimento através do tratamento térmico. Aumenta a resistência à corrosão e resistência à oxidação e altas temperaturas. Um metal duro e prateado com um tom azul.
    • Raio atômico, não ligado 2.06 Å e quando ligado (covalente) 1.30 Å;
    • Afinidade eletrônica 64.259 kJ mol−1;
    • Eletronegatividade na escala Paule: 1.66;
    • Alguns ISOTOPOS:

Isótopo

Massa Atômica

Abundancia natural %

50Cr

49.946

4.345

52Cr

51.941

83.789

53Cr

52.941

9.501

54Cr

53.939

2.365

 

  • Fósforo – Embora bom para usinagem, é considerado indesejável em grandes quantidades no aço. As duas principais formas de fósforo são o fósforo branco e o fósforo vermelho. O fósforo branco é um sólido ceroso venenoso e o contato com a pele pode causar queimaduras graves. Ele brilha no escuro e é espontaneamente inflamável quando exposto ao ar. O fósforo vermelho é um sólido amorfo não tóxico.
    • Raio atômico, não ligado 1.80 Å e quando ligado (covalente) 1.09 Å;
    • Afinidade eletrônica 72.037 kJ mol−1;
    • Eletronegatividade na escala Paule: 2.19;
    • Alguns ISOTOPOS:

Isótopo

Massa Atômica

Abundancia natural %

31P

30.974

100

 

  • Enxofre – Enxofre é tido como impureza se em quantidades elevadas no aço. Ele cria vazios ou pequenas inclusões no aço, permitindo que os cavacos quebrem durante a usinagem. Menos cavacos irão aderir ao ferramental também, melhorando a usinabilidade. A ductilidade e a tenacidade serão reduzidas. Existem vários alótropos de enxofre. O mais comum aparece como cristais ou pó amarelo.
    • Raio atômico, não ligado 1.80 Å e quando ligado (covalente) 1.04 Å;
    • Afinidade eletrônica 200.41 kJ mol−1;
    • Eletronegatividade na escala Paule: 2.58;
    • Alguns ISOTOPOS:

Isótopo

Massa Atômica

Abundancia natural %

32S

31.972

94.99

33S

32.971

0.75

34S

33.968

4.25

36S

35.967

0.01

 

  • Níquel – Outro elemento para aumentar a temperabilidade, também ajuda na resistência à corrosão, dureza e tenacidade. Um metal prateado que resiste à corrosão mesmo em altas temperaturas.
    • Raio atômico, não ligado 1.97 Å e quando ligado (covalente) 1.17 Å;
    • Afinidade eletrônica 111.537 kJ mol−1;
    • Eletronegatividade na escala Paule: 1.91;
    • Alguns ISOTOPOS:

Isótopo

Massa Atômica

Abundancia natural %

58Ni

57.935

68.077

60Ni

59.931

26.223

61Ni

60.931

1.1399

62Ni

61.928

3.6346

64Ni

63.928

0.9255

 

  • Molibdênio – O molibdênio melhora a resistência à corrosão, resistência e dureza do aço. Um metal brilhante e prateado. O molibdênio tem um ponto de fusão muito alto, por isso é produzido e vendido como um pó cinza. Muitos itens de molibdênio são formados pela compressão do pó por sinterização.
    • Raio atômico, não ligado 2.17 Å e quando ligado (covalente) 1.46 Å;
    • Afinidade eletrônica 72.171 kJ mol−1;
    • Eletronegatividade na escala Paule: 2.16;
    • Alguns ISOTOPOS:

Isótopo

Massa Atômica

Abundancia natural %

92Mo

91.907

14.53

94Mo

93.905

9.15

95Mo

94.906

15.8

96Mo

95.905

16.67

97Mo

96.906

9.60

98Mo

97.905

24.39

100Mo

99.907

9.82

 

  • Titânio – Reduz a corrosão e a estrutura granular do aço. Um metal duro, brilhante e resistente. Também pode ser utilizado como microligante no aço. O titânio é tão forte quanto o aço, mas muito menos denso. Portanto, é importante como agente de liga com muitos metais, incluindo alumínio, molibdênio e ferro. Essas ligas são usadas principalmente em aeronaves, naves espaciais e mísseis devido à sua baixa densidade e capacidade de resistir a temperaturas extremas. Eles também são usados ​​em tacos de golfe, laptops, bicicletas e muletas.
    • Raio atômico, não ligado 11 Å e quando ligado (covalente) 1.48 Å;
    • Afinidade eletrônica 7.622 kJ mol−1;
    • Eletronegatividade na escala Paule: 1.54;
    • Alguns ISOTOPOS:

Isótopo

Massa Atômica

Abundancia natural %

46Ti

45.953

8.25

47Ti

46.952

7.44

48Ti

47.948

73.72

49Ti

48.948

5.41

50Ti

49.945

5.18

 

  • Cobre – Pode ser usado para resistência à corrosão, mas dificulta a soldagem se houver níveis elevados. Um metal dourado-avermelhado que é facilmente trabalhado e transformado em fios. Historicamente, o cobre foi o primeiro metal a ser trabalhado pelo homem. A descoberta de que poderia ser endurecido com um pouco de estanho para formar a liga de bronze deu o nome à Idade do Bronze.
    • Raio atômico, não ligado 96 Å e quando ligado (covalente) 1.22 Å;
    • Afinidade eletrônica 119.159 kJ mol−1;
    • Eletronegatividade na escala Paule: 1.90;
    • Alguns ISOTOPOS:

Isótopo

Massa Atômica

Abundancia natural %

63Cu

62.930

69.15

65Cu

64.928

30.85

 

  • Boro – Adicionado em quantidades muito pequenas, este elemento melhora a resposta do tratamento térmico, o que significa que ajuda a melhorar a resistência e tenacidade. Pode ser utilizado como substituto de ligas de preços mais elevados. O boro puro é um pó amorfo escuro.
    • Raio atômico, não ligado 92 Å e quando ligado (covalente) 0.84Å;
    • Afinidade eletrônica 26.989 kJ mol−1;
    • Eletronegatividade na escala Paule: 2.04;
    • Alguns ISOTOPOS:

Isótopo

Massa Atômica

Abundancia natural %

10B

10.013

19.9

11B

11.009

80.1

 

“Conteúdo não pode ser publicado ou redistribuído sem prévia autorização”.

“Elaboração e Edição: Thiago Cortiz e Renata Brandolin”

Referências

https://www.britannica.com/technology/alloy

https://worldsteel.org/about-steel/about-steel/

https://www.aisc.org/education/university-programs/structural-steel-textbooks/

https://www.rsc.org/periodic-table/

North American Standard for Cold-Formed Steel Structural Framing, AISI S240-15, American Iron and Steel Institute, Washington, DC, 2015.